Magnésio

o magnésio é um mineral importantíssimo, a vida como conhecemos "surgiu" do magnésio, o magnésio é o elemento central na clorofila e a base do início da vida na terra.

O ar que respiramos depende do magnésio, nas plantas, é o magnésio quem vai realizar a transformação da luz em alimento, em energia, e deste processo depende toda a vida existente na terra. Sem magnésio as plantas não teriam como se nutrir através dos raios solares, quando o magnésio está deficiente em uma planta ela começa a definhar e morrer, o mesmo ocorre com os seres humanos.

A clorofila, presente em todas as plantas no centro de sua molécula, está o magnésio, esse mineral essencial para vida. A hemoglobina, molécula presente no sangue que é responsável pela oxigenação dos tecidos e quase idêntica a molécula da clorofila, basicamente o que difere uma da outra é que no átomo central da hemoglobina está presente o Ferro, e na clorofila, é o Magnésio.

Figura 1: Magnésio é o elemento central na clorofila e a base do início da vida no planeta

O magnésio é responsável por mais de 350 reações enzimáticas no corpo humano fundamentais a vida e está envolvido nos diversos processos celulares, estando presente em todos os aspectos da fisiologia humana.

FUNÇÕES DO MAGNÉSIO

Aqui estão apenas algumas das funções do magnésio como a regulação dos níveis de insulina, estabilização da ATP, para a formação de energia das células, regulação do colesterol, regulação do metabolismo cálcio, fixando o cálcio onde há necessidade e eliminando-o onde não há necessidade e onde a presença do cálcio geraria doenças, como por exemplo a calcificação das articulações, calcificação das artérias, calcificação nos rins (cálculos de oxalato de cálcio). Basta realizar a reposição de magnésio que estes problemas desaparecem, a exemplo das calcificações nos rins, a reposição com magnésio elimina estes cálculos, de que, conforme acima, sejam formados por oxalato de cálcio, cálculos formados por uratos e fosfatos não são resolvidos com reposição de magnésio.

SINAIS DE CARÊNCIA DE MAGNÉSIO

A deficiência de magnésio faz o corpo entrar em colapso, a deficiência de magnésio pode ser percebida a partir de alguns sintomas e desconfortos, além de algumas doenças presentes no indivíduo, como por exemplo:

Ansiedade, depressão, síndrome do pânico, insónia, nervosismo, hiperatividade, desordem de atenção, doenças cardíacas, arritmias cardíacas, tromboses, hipertensão arterial, doenças hepáticas, doença renal, cálculos, cistites de repetição, diabetes decorrentes de resistência insulínica, fadiga crónica, doenças intestinais, obstipação, asma, tensão pré-menstrual, infertilidade, cólica menstrual, verrugas, irritabilidade nervosa, tiques nervosos, cãibras, transtornos neurológicos e psíquicos, como dores de cabeça, vertigens, cansaço visual, tremores nas pálpebras, distúrbios glandulares, transtornos digestivos, lentidão no funcionamento do fígado, contrações da vesícula biliar, problemas na próstata e micção noturna (acordar várias vezes durante a noite para urinar).

ONDE ESTÁ LOCALIZADO O MAGNÉSIO NO CORPO

O magnésio encontra-se distribuído em todo o no corpo, aproximadamente 60% do magnésio fica armazenado nos ossos, 26% nos músculos, e 14% distribuídos nos tecidos e fluídos corporais.

Órgãos mais “ativos”, percebe-se uma alta concentração de magnésio, como o cérebro, coração, fígado e rins. O magnésio é tão precioso para o corpo que fica quase todo guardado dentro das células, no compartimento intracelular. Somente 1% do nosso magnésio total circula pelo sangue.

FATORES QUE ACARRETAM DEFICIÊNCIA DE MAGNÉSIO

- Solo pobre em Magnésio e o uso de adubos químicos N.P.K. (Nitrogênio, Fósforo e Potássio). Por antagonismo o nível de potássio absorvido pela planta inibe a absorção do Magnésio.
- Consumo excessivo de gorduras saturadas, laticínios e proteínas na alimentação diária;
- Prática de esportes ou de exercícios de alta intensidade, que provocam muita sudorese;
- Regimes de emagrecimento prolongados;
- Uso habitual de diuréticos e ou de laxantes;
- Mulheres que fazem uso regular de pílulas anticoncepcionais ou reposição de estrogênio;
- Elevado consumo de bebidas alcoólicas e ou excesso de refrigerantes à base de cola;
- Dietas ricas em carboidratos (açúcar) e sal refinado;
- Estados frequentes de ansiedade e “stress”;
- Consumo elevado de produtos e suplementos à base de cálcio.

NÍVEIS DE MAGNÉSIO NO CORPO

A OMS (Organização Mundial de Saúde) classifica o Brasil como um país deficiente em magnésio.

Se o magnésio presente no sangue estiver baixo, isto significa que a situação está crítica e há uma deficiência crónica e perigosa. Na verdade, a deficiência de magnésio deve ser medida pelos sinais e sintomas que o indivíduo apresenta, e as estimativas são de que mais de 90% da população têm carência de magnésio. Infelizmente o teor de magnésio de todas as folhas verdes, nozes e sementes, grãos e leguminosas, é dependente da qualidade do solo. Seria muito importante que este solo fosse rico em magnésio, o que não ocorre de modo geral, pois como já mencionado anteriormente, os fertilizantes utilizados são à base de nitrogênio, fósforo e potássio, que fazem a planta crescer muito e parecer saudável, mas a depleção crônica de minerais essenciais no solo empobrece os nossos alimentos. E por isso vivemos num estado carencial crônico, cujas consequências são mais evidentes à medida que envelhecemos.

Mais de 90% da população tem deficiência de magnésio, sendo interessante uma suplementação deste mineral. E o cloreto de magnésio é uma forma barata, segura e eficaz de se obter ou recuperar a boa saúde, mas o cloreto de magnésio não é a melhor opção, por se tratar de ser um mineral inorgânico, estes não são tão bem absorvidos, por conta disso, existem as formas de magnésio quelado, que facilitam o transporte ativo e tem sua absorção aumentada em 40%, isso é melhor detalhado na seção tipos de magnésio.

Quem mais sofre com a deficiência de magnésio são os idosos, diabéticos e pré-diabéticos, pessoas em dietas restritivas, uso crônico de bebidas alcoólicas, usuários de medicamentos para o coração, usuários de antiácidos, praticantes de atividade física intensa, hipertensos, portadores de osteoporose, portadores de doenças cardíacas, indivíduos com grande stress mental.

ALIMENTOS REFINADOS, O PROGRESSO EFICIENTE DA DOENÇA

A fim de atingir lucros a indústria refina, retira o “sujinho” dos grãos de arroz e do trigo, o melaço escuro do açúcar, no sal marinho, onde estão presentes mais de 80 minerais, entre eles o magnésio, iodo, estes são retirados, pois umedecem o sal, não deixa o sal ficar soltinho. Esse é o “progresso” dos alimentos brancos, destes 4 alimentos básicos citados, os mais consumidos no mundo, vendem os restinhos “sujos” para alimentar os gados, para a saúde do gado. Por outro lado, sobra para os consumidores modernos, o resíduo branco, os alimentos refinados, doentes. Acabam recorrendo a medicamentos químicos ineficazes, e desta forma faturando nada mais nada menos que 50% das mortes por câncer.

ALGUNS TRABALHOS CIENTÍFICOS COMPROVADOS E PUBLICADOS NA APLICAÇÃO DO MAGNÉSIO EM PROBLEMAS CARDÍACOS  DIABETES

Diabetes Care - American Diebetes Association

Oral Magnesium Supplementation Improves Insulin Sensitivity and Metabolic Control in Type 2 Diabetic Subjects
A randomized double-blind controlled trial
http://care.diabetesjournals.org/content/26/4/1147.short

Diabetic Medicine

Effects of oral magnesium supplementation on glycaemic control in Type 2 diabetes: a meta-analysis of randomized double-blind controlled trials
http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1464-5491.2006.01852.x/abstract

Science Direct

Oral Magnesium supplementation improves insulin sensitivity in non-diabetic subjects with insulin resistance. A double-blind placebo-controlled randomized trial
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1262363607701167

JAMA - Journal of the American Medical Association

Magnesium in the Prevention of Lethal Arrhythmias in Acute Myocardial Infarction
http://archinte.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=608155

Circulation - American Heart Association

Effect of acute magnesium administration on the frequency of ventricular arrhythmia in patients with heart failure
http://circ.ahajournals.org/content/89/2/660.short

American Heart Journal

Magnesium supplementation in the prevention of arrhythmias in pediatric patients undergoing surgery for congenital heart defects
http://www.ahjonline.com/article/S0002-8703(00)90097-8/abstract?cc=y=

Jornal of Internal Medicine

Hypomagnesemia in heart failure with ventricular arrhythmias. Beneficial effects of magnesium supplementation
http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1046/j.1365-2796.2000.00585.x/full

Journal of Women's Health

Magnesium Supplementation Alleviates Premenstrual Symptoms of Fluid Retention
http://online.liebertpub.com/doi/abs/10.1089/jwh.1998.7.1157

Journal of the American College of Nutrition

Effect of magnesium supplementation on strength training in humans.
http://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/07315724.1992.10718233?redirect=1

Importante

As informações contidas aqui tem caráter informativo, e não devem ser usadas para o diagnóstico ou para orientar o tratamento sem a opinião de um profissional de saúde. Procure sempre um médico de sua confiança e que, de preferência entenda de medicina preventiva, medicina ortomolecular, um nutrólogo ou um nutricionista. Apenas o médico está habilitado para diagnosticar eventuais doenças, indicar tratamentos e receitar, se necessário, medicamentos e minerais.