Em vista da crescente pandemia de diabetes e suas complicações devastadoras, estratégias naturais que mantenham a glicemia em um nível saudável e protejam contra o estresse oxidativo suscitam esperança em muitas pessoas.

A Síndrome Metabólica, uma combinação de fatores de risco, tais como a resistência à insulina, hipertensão arterial, triglicerídeos elevados e baixa lipoproteína de alta densidade (HDL) – aumenta o risco para diabetes e doenças cardiovasculares.

Amplamente conhecido como um antioxidante potente e eficaz, o ácido α-lipoico (ALA) demonstra uma multiplicidade de propriedades originais. Regulamentado como uma droga em vários países europeus (onde é aprovado para o tratamento de complicações relacionadas com a diabetes, certas complicações do alcoolismo, e uma variedade de condições do fígado), o 1,2 ácido lipoico é um componente importante da manutenção da saúde de cada indivíduo.

O ALA é um ácido graxo de cadeia curta, encontrado nas mitocôndrias, produtoras de energia de cada célula, que é sintetizado no fígado e também é obtido na dieta pelas carnes de animais como fígado e coração e de certas plantas, como brócolis, tomate, espinafre, couve de Bruxelas, e farelo de arroz. No entanto, a partir dos alimentos, não ocorre um aumento significativo no nível de ALA livre no corpo.

Uma das suas principais funções é ajudar a transformar a glicose em energia, e uma vez que é um antioxidante, ele ataca os radicais livres, que são resíduos de produtos criados quando o organismo transforma alimentos em energia. O ALA pode neutralizar os radicais livres e impedi-los de causar reações químicas nocivas que danificam as células. Os danos às células causados pelos radicais livres levam ao envelhecimento acelerado e a progressão do câncer e das doenças degenerativas, das quais o ALA pode proteger.

Outra propriedade do ácido alfa lipoico é agir como um poderoso anti-inflamatório. Ele tem efeito sobre o óxido nítrico e sobre o fator de transcrição nuclear – fator KAPPA-B (NFK-B). O NFK-B é ativado pelo estresse oxidativo na célula que, então, entra no núcleo onde proteínas pró-inflamatórias são codificadas. O ácido alfa lipoico modula a ação do óxido nítrico e pode então suprimir os efeitos de sua forma prejudicial, que leva normalmente a doenças, e aumenta sua forma indutora que é fisiológica. Novamente esta propriedade leva a uma ação anti-inflamatória sobre a pele, que pode explicar alguns dos efeitos positivos do ácido alfa lipoico sobre o envelhecimento da pele.

Estudos sugerem que a forma mais potente do ácido lipoico é o ácido R-dihidrolipoico. Nos últimos anos tornou-se possível obter o ácido R-dihidrolipoico como um suplemento dietético, proporcionando, assim, o corpo com a forma de ácido lipoico, que é maior facilmente disponível para as células e tecidos.

Na pesquisa emergente, o ácido lipoico mostrou benefícios impressionantes no contexto do glaucoma, enxaqueca, acidente vascular cerebral, bem como na saúde dos ossos.

O ácido alfa-lipoico pode atravessar a barreira hemato-encefálica, uma parede de minúsculos vasos e células estruturais, e passar facilmente para o cérebro, protegendo assim o tecido nervoso, prevenindo danos causados pelos radicais livres.

Pacientes com doença de Parkinson – uma doença degenerativa do cérebro – podem se beneficiar da suplementação com ácido alfa-lipoico, de acordo com um estudo publicado na edição de fevereiro de 2011 no “International Journal of Neuroscience“. O suplemento pode reduzir o stress oxidativo nos nervos na substância nigra, a área do cérebro que produz o neurotransmissor dopamina, que é deficiente na doença de Parkinson. Uma vantagem do ácido alfa-lipoico sobre outros antioxidantes é a sua solubilidade em água e gordura, tornando-se capaz de penetrar a barreira hemato-encefálica de modo que pode exercer os seus benefícios no cérebro.

Pesquisadores da Universidade Agrícola da China e do Centro Nacional Chinês do Genoma Humano, publicaram este mês na Revista Científica International Journal of Molecular Sciences um artigo sobre os efeitos do ácido lipoico na função imunológica, sistema de defesa antioxidante e expressão de genes relacionados à inflamação, em frangos jovens alimentados com dietas contaminadas por aflatoxina.

De acordo com a conclusão dos cientistas, os resultados sugerem que o ácido α-lipoico alivia o estresse oxidativo e as alterações imunológicas induzidas e modula a resposta inflamatória, através da alteração na expressão de citocinas pró-inflamatórias do baço, como a interleucina 6 (IL-6) e fator de necrose tumoral alfa (TNF- α). Todos estes resultados suportam os efeitos anti-inflamatórios do ALA, os quais podem ser devido ao seu efeito como potente antioxidante.

O que torna o ácido alfa-lipoico especial  também é que ele solubiliza em água e gordura, ao contrário dos mais comuns antioxidantes vitaminas C e E, e parece ser capaz de reciclar os antioxidantes, como vitamina C e glutationa depois de terem sido utilizados. A glutationa é um importante antioxidante que ajuda o organismo a eliminar substâncias potencialmente nocivas. O ácido alfa-lipoico aumenta a formação de glutationa.

A solubilidade dupla do ALA  faz  com que seja importante o consumo de lipídeos, como por exemplo, uma dose adequada de óleos ômega-3 dos peixes. Além disso, você precisa tomar acetil-L-carnitina, que é uma das substâncias envolvidas no transporte de gordura para as células, para ser metabolizada.

A acetil-L-carnitina e ALA trabalham em conjunto para manter os níveis de dopamina, que é um neurotransmissor importante para o metabolismo energético. Estes dois antioxidantes também são cruciais para a perda de peso e treinamento de força.

Por exemplo, se você tomar ALA e carnitina antes de um treino, eles vão aumentar a sua energia e foco, melhorando a sensibilidade à insulina e ativando os receptores androgênicos. Isso cria um melhor ambiente para o fortalecimento muscular e queima de gordura.

O ALA pode impedir a glicação de proteínas, o que é importante porque a glicação leva a mais problemas com o metabolismo e inflamação. Glicação se refere a um endurecimento de proteína e um  dos resultados é a hemoglobina glicada, condição onde as moléculas de glicose ou açúcar ligam-se com a hemoglobina (que transporta oxigênio no sangue) formando a hemoglobina glicada, reduzindo assim a sua capacidade de transporte de oxigênio.

O ácido alfa-lipoico previne a formação de glicação avançada de produtos finais, um processo degenerativo que ocorre quando o excesso de glicose liga às proteínas e outras moléculas, levando-os a tornar-se oxidado e incapaz de realizar suas funções normais, de acordo com Kedar N. Prasad, Ph.D., autor do livro “Micronutrientes na saúde e na doença.” Prasad recomenda doses de 600 mg duas vezes por dia ou até 1,8 g, uma vez por dia.

Em suma, os estudos realizados sugerem que uma dose alta de ALA (1.800 mg/dia) melhora a produção de energia mitocondrial, aumentando assim o metabolismo e a queima de gordura, o que induz a perda de peso. Alguns pesquisadores sugerem o ALA como um tratamento ideal para indivíduos com sobrepeso e complicações de saúde como pressão alta ou diabetes, e que tomar ALA é uma opção melhor do que remédios para emagrecimento.

Os efeitos colaterais do uso de suplementos de ALA parecem ser raros e leves, como erupções cutâneas. Mesmo assim, o ALA não deve ser usado sem recomendação do seu médico, principalmente se você tomar insulina ou outros medicamentos para reduzir o açúcar no sangue. É possível que ele possa aumentar o efeito destas drogas, levando à hipoglicemia (redução do nível de açúcar no sangue).

Discuta o uso de suplementação de ALA com o seu médico primeiro. Ele pode recomendar que você aumente o monitoramento dos níveis de açúcar no sangue ou fazer um ajuste posológico na sua medicação.

 

SAIBA MAIS

– Kim HJ, Chang EJ, Kim HM, et al. Ácido alfa-lipóico antioxidante inibe a diferenciação dos osteoclastos, reduzindo fator-kappa β nuclear DNA de ligação e impede a reabsorção óssea vivo induzida pelo ativador do receptor do fator nuclear-kappaB ligante e fator de necrose tumoral alfa. Radic Biol Med. 2006 1 de Maio; 40 (9) :1483-93.

–  Holmquist L, L Stuchbury, Berbaum K, et al. Ácido lipóico como um novo tratamento para a doença de Alzheimer e demências relacionadas. Pharmacol Ther. 2007 Jan; 113 (1):154-64.

– Os benefícios da suplementação com ácido alfa lipoico

FONTES

– Yan Li, Qiu-Gang Ma, Li-Hong Zhao, Hua Wei, Guo-Xiang Duan, Jian-Yun Zhang and Cheng Ji. Effects of Lipoic Acid on Immune Function, the Antioxidant Defense System, and Inflammation-Related Genes Expression of Broiler Chickens Fed Aflatoxin Contaminated Diets. Int. J. Mol. Sci. 2014, 15, 5649-5662.

– McMackin CJ, Widlansky ME, Hamburgo NM, et al. Efeito do tratamento combinado com ácido alfa-lipóico e acetil-L-carnitina na função vascular e pressão arterial em pacientes com doença arterial coronariana. J Clin Hypertens. Greenwich. 2007 Abr; 9 (4) :249-55.

Pesquisa Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Importante

As informações contidas aqui tem caráter informativo, e não devem ser usadas para o diagnóstico ou para orientar o tratamento sem a opinião de um profissional de saúde. Procure sempre um médico de sua confiança e que, de preferência entenda de medicina preventiva, medicina ortomolecular, um nutrólogo ou um nutricionista. Apenas o médico está habilitado para diagnosticar eventuais doenças, indicar tratamentos e receitar, se necessário, medicamentos e minerais.