Microbiota Intestinal

a importância dos probióticos na microbiota intestinal, prevenção de doenças e aumento da imunidade

Atualmente a microbiota intestinal é conhecido com um órgão, tamanha é a sua importância no corpo humano na prevenção de doenças, imunidade. A microbiota intestinal é um órgão virtual, mas reconhecido como um órgão.

O corpo humano possui mais bactérias no intestino grosso do que células no corpo, possuímos 10.000.000.000.000 (dez trilhões) de células no corpo, e possuímos 100.000.000.000.000 (cem trilhões) de bactérias no intestino, são 10 vezes mais bactérias no intestino grosso do que células no corpo, em se falando de números, nós somos apenas 10% humanos, as bactérias são muito menores que as células e por isso podemos ter muito mais bactérias. E são estas bactérias que constituem a nossa microbiota intestinal, essa microbiota intestinal é constituída de bactérias benéficas e bactérias patogênicas.

Destas cem trilhões de bactérias nos temos as bactérias Dominantes, as bactérias Subdominantes e as Bactérias Residuais, que são as bactérias prejudiciais. Vejamos abaixo como estão divididas:

Bactérias Dominantes: Bifidobacterium, Bacteroides, Eubacterium, Fusobacterium, Peptostreptococcus.
Bactérias Subdominantes: Lactobacillus Escherichia Coli e Lactobacillus Enterococcus
Bactérias Residuais: Clostridium, Pseudomonas, Klebsiella, Veillonella, Enterobacter, Firmicutes.

Composição probiótica e a obesidade

Uma curiosidade sobre os Firmicutes, que são as bactérias residuais. O aumento de mais de 50% do número de firmicutis, acompanhado de diminuição de mais de 50% do número de mais bacteroidetes, maior será a propensão a obesidade. Ou seja, se um indivíduo, mesmo ele não sendo obeso, se houver o aumento do número de firmicutis, ele ficará obeso, mesmo esse indivíduo tendo uma dieta equilibrada. Pra se ver a tamanha importância da microbiota intestinal. Agora, ao associarmos isso com os maus hábitos alimentares, é fácil perceber o porquê do número de pessoas obesas estarem aumentando a cada dia. Existem pessoas que são obesas porquê tem firmicutis demais no intestino, não se consegue tratar a obesidade enquanto não tratar dos firmicutis, as firmicutis interferem drasticamente na obesidade.

Quando a quantidade de bactérias patogénicas é maior que a quantidade bactérias benéficas, temos o que chamamos de DISBIOSEEntão necessitamos possuir mais bactérias benéficas do que patogénicas, e isso não ocorre na grande maioria dos casos devido a maus hábitos alimentares como por exemplo consumo de alimentos acidificantes, água filtrada ou mineral com um pH abaixo de 7.4, bebidas alcoólicas, entre outros. E essa DISBIOSE desencadeia o aparecimento de inúmeras doenças, cânceres, principalmente os intestinas, aumento de radicais livres no corpo, pois um intestino com DISBIOSE está constantemente jogando no organismo toxinas e, consequentemente a pessoa com um intestino deste envelhece mais rápido.

Por esta razão é necessário fazer uso de probióticos, pois estes restabelecem a saúde e integridade da microbiota intestinal, a medicina chinesa já dizia: "a saúde e a doença começa e termina no intestino". Existem três tipos de ingredientes que podemos utilizar para interferir positivamente na microbiota intestinal, são os prébióticos, probióticos e simbióticos, falaremos sobre eles a seguir:

PRÉBIÓTICOS: É o alimento que alimenta a bactéria. Resistem à hidrólise enzimática do trato digestivo. Os FOS (frutooligossacarídeos) derivados da insulina e os galactooligossacarídeo (GOS) de origem láctea, tais como a lactulose e a lactosacarose, incluem-se em nutrientes funcionais pré bióticos.

Os FOS são OS lineares de cadeia curta ou média formada por moléculas de frutose com ligações glicosídicas impedindo que enzimas digestivas hidrolisem estes carboidratos.

Estes OS são encontrados em alguns vegetais como: alho porrô, cebola, alcachofra, endívia, aspargo, chicória amarga. E ainda no trigo, barra de cereais, laticínios e outros. Porém pode ser extraída da inulina.

São os oligossacarídeos um dos mais importantes nutrientes do leite materno, estimulando o crescimento de bactérias benéficas no intestino, como as bifidobactérias e lactobacilos, reforçando o sistema imunológico. A alimentação selecionada de galactooligossacarídeos de cadeia curta GOS (90%) e frutooligossacarídeos de cadeia longa (FOS), assemelham os oligossacarídeo de leite materno.

Os pré bióticos em fórmulas infantis, podem acarretar diarreia com perda hídrica, devido a presença de fibras não digeridas no cólon. Usar doses inferiores a 8g/L.

PROBIÓTICOS: É a bactéria benéfica em si, o bacilo, existem muitos lactobacilos como o lactobacilos rhamnosus, lactobacilos casei shirota, lactobacilos helvéticos e muito mais, e, temos também o KEFIR, que é um poderoso e mais completo probiótico existentes. Os lactobacilos influenciam beneficamente na microbiota intestinal e trazendo resultados positivos na terapêutica de pacientes com câncer de cólon, mama e bexiga. Por exemplo, pessoa com câncer de cólon se beneficiam positivamente com o uso do lactobacilos rhamnosus, quem possui câncer de mama se beneficia com uso do lactobacilos helvéticos, quem possui câncer da bexiga se beneficia do lactobacilos casei shirota, e tudo isso constando na literatura médica, publicados em jornais científicos. Como pode-se observar, existe uma correlação entre o tipo de probiótico e o benefício no câncer, estes estudos já existem.

O Kefir é um alimento probiótico, com propriedades de fortalecer e restaurar a microbiota intestinal. É uma cultura de microrganismos simbióticos, conhecidas como bactérias benéficas. São constituídos de bactérias não patogênicas, leveduras, sais minerais como o cálcio, o ferro e também possuem vitaminas do complexo B. O Kefir traz inúmeros benefícios para a saúde de quem faz uso deste, além de ser uma bebida refrescante e muito nutritiva, e, portanto, muito saudável.

O Kefir se destaca entre os demais probióticos existentes pela quantidade de CEPAS que possui. As cepas são as famílias de bactérias benéficas. O Kefir possui de 35 a 50 cepas, tem fungos saudáveis, tem proteínas, tem lípides, tem açúcar. Enquanto que os iogurtes e os demais probióticos comercialmente vendidos possuem apenas de 1 a 3 cepas no máximo.

O Kefir tem a capacidade de restaurar a microbiota intestinal em muito pouco tempo, e o mais interessante, o probiótico do Kefir é permanente, quando fazemos uso de outros probióticos, por exemplo os de farmácia, claro, mesmo o probiótico vendido na farmácia, ele ajuda bastante, porém, quando se para de usar o probiótico da farmácia, por exemplo, também se tem uma queda da microbiota intestinal, ou seja a pessoa de certa forma fica refém dos produtos probióticos comercializados. Já com o Kefir, ele é permanente, porque estruturalmente, ele é diferente dos outros probióticos, desta forma, depois que uma pessoa já teve toda a sua microbiota restaurada, equilibrada, mesmo que a pessoa interrompa o uso do Kefir eles permanecem e se mantem em sua microbiota intestinal. E além de se manter no intestino, permanente, os lactobacilos do Kefir destroem as bactérias residuais, que são as bactérias nocivas, como já mencionado acima.

O leite materno contém probióticos e oligossacarídeos com efeito bifidogênicos.

SIMBIÓTICOS: que é a combinação tanto do alimento quanto do bacilo em si, ou seja combina o pré biótico e do probiótico na mesma substância.

Os pré bióticos podem apresentar funções importantes no trato gastro intestinal como:

- Estimular crescimento flora saudável
- Favorecer a imunidade
- Atuar na prevenção da diarreia patogênica e constipação
- Diminuir metabólitos tóxicos e das enzimas patogênicas no cólon
- Reduzir o colesterol sérico
- Favorecer a absorção e produção de nutrientes (B1, B2, B3, B6, B9 e B12)
- Melhorar a tolerância à lactose

Apenas a título de curiosidade, existe um produto referente aos probióticos que vem sendo muito estudado nos Estados Unidos chama-se o VSL#3, onde existem 450.000.000.000 (quatrocentos e cinquenta bilhões) de UFC (Unidade Formadora de Colônia), que é um probiótico, para que possamos observar a importância do lactobacilos e de uma microbiota intestinal integra e saudável. É um produto muito caro. Não vejo necessidade em adquirir, sendo que possuímos inúmeras opções de lactobacilos.

IMPORTANTE: PRECAUÇÃO DO USO DE LACTOBACILOS NO TRATAMENTO DO CÂNCER EM INDIVÍDUOS IMUNODEPRIMIDOS

No caso de uma pessoa com câncer possuir uma imunodepressão, esta pessoa NÃO deve fazer uso de lactobacilos para auxilio no tratamento do câncer, pois essa pessoa pode desenvolver o que é conhecido como translocação bacteriana, onde estes lactobacilos podem passar para o sangue e causar problemas sérios, no caso deste indivíduo possuir imunodepressão. Relembrando, isso apenas em pacientes com câncer.

Para saber se uma pessoa tem imunodepressão é de certa forma simples, se a pessoa tiver neutrófilos menos que 2.000/mm3 (lê-se neutrófilos por milímetro cúbico) isso indica que a pessoa possui uma imunodepressão. Essas informações sobre os neutrófilos são facilmente encontradas em seu exame de sangue.

Pacientes com câncer que estão fazendo quimioterapia, é extremamente recomendado fazer o uso de lactobacilos probióticos não somente para o restabelecimento da microbiota intestinal, como também para aumentar a imunidade do paciente com câncer, uma vez que a quimioterapia destrói a microbiota intestinal.

 

Tópicos relacionados

Bioquímica do Sangue - Alimentação Acida e Alcalina
Glúten - Consequência do Consumo de Glúten