entendendo os radicais livres e como estes impactam gravemente em nossa saúde

Quando uma molécula ou átomo possui um elétron dispareado, ou seja, em sua estrutura química falta um elétron, esse radical livre acaba "atacando" outras moléculas para "roubar" elétrons e desta forma se tornarem estáveis novamente. Estas moléculas que foram atacadas, perderam seu elétron e agora se transformáram em radical livre, e procuirará fazer o mesmo com outras moléculas, provocando assim uma reação em cadeia causando inúmeros danos à saúde, dentre eles, o envelhecimento precoce, esse processo é conhecido como oxidação, que é em outras palavras enferrujar. Um bom e simples exemplo disso, acontece quando cortamos uma maçã e a deixamos exposta ao oxigênio ela oxida, ela enferruja. Agora, faça essa mesma experiência com a maçã, só que desta vez passe na face da maçã cortada um limão, esprema limão na face da maçã, você notará que a maçã não vai mais oxidar, ela não irá mais enferrujar. Isso porque os limões contem a vitamina c, e a vitamina c é um poderoso antioxidante, ou seja, ele vai impedir, ou reduzir a velocidade do processo de oxidação. Em outras palavras, lembra quando comentamos que o elétron dispareado vai procurar um outro elétron para se parear? Porém ele acaba retirando isso de um outro elétron, como já vimos. A vitamina c fornece justamente estes elétrons para o elétron dispareado, é ele quem doa esse elétron.

O mesmo exemplo citado acima, ocorre em nosso corpo, e esse processo de oxidação é um dos fatores que contribuem para o processo de envelhecimento, fazem surgir as doenças degenerativas, que são as doenças do envelhecimento. Quando um indivíduo é jovem, ele possui uma grande quantidade de antioxidantes que são a glutationa, catalase e superóxido dismutase, contudo quando a quantidade de radicais livres é muito grande estes antioxidantes naturais não conseguem dar conta. Além disso, a medida que se envelhece estes antioxidantes naturais vão diminuído. O próprio ato de respirar já gera radicais livres no corpo, cada vez que respiramos, um pouco do oxigênio acaba se transformando em radical livre, cerca de 6% em média. Porém, devido ao grande aumento da poluição do ar, agrotóxicos, substâncias toxicas nos alimentos industrializados, entre outros, temos hoje uma quantidade muito maior de agentes OXIDANTES, principalmente as alimentações modernas como os fast-foods, que é uma alimentação morta, onde só se come coisa morta, e esse tipo de alimentação produz muito radical livre.

Os radicais livres são altamente reativos e podem participar de reações colaterais indesejáveis, resultando em danos celulares. Muitas formas de câncer são consideradas como o resultado de reações entre radicais livres e DNA, resultando em mutações que podem afetar negativamente o ciclo celular e, potencialmente, levar a malignidade. Além disto, os radicais livres promovem o processo de envelhecimento e estão relacionados com as doenças cardíacas, com o Mal de Parkinson e de Alzheimer.

A prática de exercícios físicos de grande intensidade aumenta o consumo de oxigênio no corpo que consequentemente leva á liberação de radicais livres. Por isso, é muito comum atletas além de possuírem uma alimentação rica em frutas e legumes, consumirem cápsulas de antioxidantes que são substâncias que ajudam a combater e neutralizar os radicais livres.

Os radicais livres também podem ser produzidos devido a fatores externos. Algumas fontes externas geradoras de radicais livres são a fumaça de cigarro, álcool, poluentes ambientais, radiação, luz ultravioleta, drogas pesticidas, alguns solventes industriais, entre outras.

Hoje em dia, a rotina da vida moderna associado à idade e as deficiências nutricionais, com alta ingestão de gorduras, açúcares e pobres em nutrientes, contribuem para o aparecimento de radicais livres no organismo. Portanto é muito importante, adicionar a dieta alimentar muitas verduras, frutas, legumes que são fontes de antioxidantes, que protegem o corpo dos efeitos prejudiciais dos radicais livres.

Observação: Quando falamos em gordura, estamos nos referindo as gorduras saturadas, porém, existem três tipos de gorduras saturadas, as de cadeia curta, média e longa. Gordura saturada de cadeia curta e média, são benéficas, não causam mal, estes tipos de gorduras sequer necessitam de bile para serem digeridas. Outro ponto, as gorduras saturadas de cadeia curta e média não causam mal, desde que, também o nível inflamatório no sangue não seja alto, isso pode ser medido através da proteina c reativa.

Tópicos relacionados

Gorduras Saturadas
O Perigo dos óleos vegetais
Ghee - o ouro líquido
O mito do colesterol