GcMAF
Antes de continuarmos sobre os problemas na abordagem dos tipos de terapias convencionais e falarmos sobre os tratamentos do câncer com sucesso por diversos médicos ao redor do mundo, vamos antes comentar sobre o papel fundamental da Vitamina D3 na prevenção não somente do câncer quanto a infecções, e como ela é imprescindível no tratamento do câncer. E nem estamos querendo com isso desencorajar o uso de terapias convencionais, o objetivo é levar informação.
 
Além dos inúmeros benefícios já publicados sobre a Vitamina D3 (citar os links). Agora iremos demonstrar o porque da importância da vitamina D3 no combate não somente ao câncer antes de sua iniciação/promoção (conforme já visto na parte 1), e no aumento da imunidade contra a infecções. Muita gente comenta da importância da vitamina D3, mas poucos comentam o porque, como ela age quando o assunto é imunidade. A resistência a infecções depende da Vitamina D e não da vitamina C, que é um antioxidante. Se não leu sobre vitamina D3 leia aqui.
 
O corpo humano produz de cinco a onze mil células cancerosas por dia, porém, nosso sistema imune faz a supressão desses genes, isso porque o GcMAF está presente, e o corpo consegue realizar o que precisa ativando macrófagos e desencadeando os processo imunes, não somente contra células cancerígenas mas também contra vírus, fungos, bactérias... O GcMAF é um granulócito ativador de macrófago, ele foi descoberto pelo Dr. Nobuto Yamamoto. 

O precursor do GcMAF é a GcProtein (Vitamin D3 Binding Globulin), a vitamina D3 é lipossolúvel, mas nosso sangue é hidrossolúvel, por conta disso, para que a Vitamina D3 possa ser transportada pelo sangue, faz-se necessário a presença de um transportador, que é a GcProtein, que é a precursora do GcMAF. No caso de um indivíduo possuir deficiência ou insuficiência de vitamina D3, significa que além de não estar com o sistema imune forte, esta deficiência ou insuficiência predispõe ao câncer. Por isso a importância de manter os níveis de vitamina D3 no sangue em níveis entre 50 e 80 ng/ml. Em um paciente com câncer é imprescindível que no mínimo estes níveis estejam mo mínimo em 80 ng/ml. Existem comprovações científicas de que níveis bons da vitamina D3 no corpo são de no mínimo 40 ng/ml, diferentemente do que diz seus exames, cujos valores oscilam entre 30 e 35 ng/ml, em algumas pessoas até menos.

Não é nosso interesse demonstrar porque as referências dos exames são errados, contudo no tópico sobre vitamina D3 mostro o estudo que fala dos níveis ideais. Para resumir: níveis menores que 32 ng/ml (deficiência), níveis entre 32 e 50 ng/ml (insuficiência), níveis entre 50 e 80 ng/ml (ótimos). Os exames são muito errados, níveis normais tem como referência entre 32 e 100 ng/ml (ou seja, quem está com níveis acima de 50 e menor que 100 ng/ml está muito melhor do que quem está com 32 ng/ml).
Em outras palavras, quanto menor for os níveis séricos de vitamina D3 no corpo, mais suscetível a infecções, seja gripe, resfriados, cânceres (antes de sua iniciação/promoção). Porém depois que ocorre a iniciação do câncer, devido a mutação da célula, que iremos falar mais adiante como ocorre, conforme já foi mostrado rapidamente no modelo básico de Pischinger, na parte 2.

QUANTO SUPLEMENTAR DE VITAMINA D3?

Depende, não existe uma dosagem que sirva para todas as pessoas, o importante é saber qual dosagem será suficiente para manter seus níveis entre 50 e 80 ng/ml. Convém, antes verificar os níveis séricos via exame e iniciar a suplementação. Como sugestão... pessoas com deficiência podem começar com 10.000 ui, que é uma dose fisiológica. De preferência na forma sublingual ou em gotas é a melhor. Em outras palavras, em um paciente com câncer deve-se fazer todos os meios para elevar os níveis de vitamina D3 no corpo. E a partir do momento que os níveis séricos de vitamina D3 aumentarem, aumentaremos a  GcProtein, que será convertida em GcMAF, e consequentemente o câncer é combatido. Isso vale não apenas para câncer como também todas as infecções.

ENTENDENDO O GcMAF

A estrutura da GcProtein é composto por 400 aminoácidos e três açúcares. Destes três açúcares, dois deles serão removidos pelos linfócitos B e linfócitos T, e como resultado, chega-se a uma estrutura que é o GcMAF, que irá realizar a ativação dos macrófagos. Para entender isso vamos ver mais abaixo na sequencia de slides. Veja vídeo ao final mostrando o GcMAF destruindo células cancerígenas.

GcMAF não é medicamento (Macrophage Activating Factor), é um ativador de macrófago.
Clique nas imagens para ampliar


 

SLIDE 1
 


A estrutura da GcProtein é composto de 400 aminiácidos, terminando com a treonina (T) com mais três açúcares chamados de "N", "G", "S".

SLIDE 2
 


Os linfócitos B e T removem os açúcares B e T.

SLIDE 3
 


Após a remoção dos açúcares "G" e "S", fica apenas a estrutura acima. Que é o GcMAF.

SLIDE 4
 


É esta estrutura que será usada na ativação do macrófago.


A INTELIGÊNCIA DO CÂNCER

Agora iremos entender porque é importante fazer uso do GcMAF. O câncer, também não quer morrer, ela possui uma inteligência própria, que garante sua sobrevivência. A célula cancerígena então produz uma enzima chamada NALAGASE, que tem a função de inibir que o GcMAF seja formado, impedindo que o sistema imune possa reagir contra ela. Conforme é mostrado na imagem a seguir. Dito isso, uma das formas de avaliar a severidade do câncer é medir os níveis de Nagalase no sangue, quanto maior os níveis pior o câncer.


SLIDE 1



A célula cancerígena, produz a enzima Nagalase, que agora bloqueia os três açúcares, impedindo que os macrófagos sejam ativados. Causando uma diminuição da eficácia do sistema imune.

 
A IMUNOTERAPIA DO CÂNCER

Uma das formas de combater o câncer seria então fazer uso do GcMAF, esse tratamento existe, podem ser comprados no exterior por exemplo. No site GcMaf.se. Injeções de GcMAF podem ser compradas da Alemanha inclusive. 

Fonte GcMAF.se (https://gcmaf.se/)
"No seu papel de regulador do sistema imunológico, a pesquisa mostra GcMAF pode reverter outras doenças que atacam o sistema imunitário, como o autismo, CFS, XMRV, doença de Lyme, Aids, HIV, fibromialgia (todos os que começamos a ter sucesso com nós mesmos), osteoporose, doença de Hodgkin, lúpus, esclerose múltipla, Parkinson, várias infecções bacterianas e virais e vários tipos de disfunção do sistema imunológico. "?

E ainda, existe um iogurte que fornece GcMAF, um probiótico da Bravo, que é tido como o melhor iogurte do mundo, por sua capacidade de fornecer o GcMAF.


Existem inúmeros trabalhos científicos recentes desde 2013, demonstrando o poder do uso do GcMAF. Conforme mostraremos abaixo. Dois deles logo abaixo.
 
GC Protein-derived macrophage-activating factor decreases α-N-acetylgalactosaminidase levels in advanced cancer patients


Immunotherapy for Prostate Cancer with Gc Protein-Derived Macrophage-Activating Factor, GcMAF1

AntiCancer Research

Gc Protein (Vitamin D-binding Protein): Gc Genotyping and GcMAF Precursor Activity

Journal of the National Cancer Institute

Effects of Vitamin D3-Binding Protein-Derived Macrophage Activating Factor (GcMAF) on Angiogenesis

Translational Oncology

Immunotherapy for Prostate Cancer with Gc Protein-Derived Macrophage-Activating Factor, GcMAF 1

Tumor cell alpha-N-acetylgalactosaminidase activity and its involvement in GcMAF-related macrophage activation
Mais trabalhos com o uso do GcMAF
1. Yamamoto N, Naraparaju VR, Moore M, Brent LH. Deglycosylation of serum vitamin D3-binding protein by alpha-N-acetylgalactosaminidase detected in the plasma of patients with systemic lupus erythematosus. Clin Immunol Immunopathol. 1997;82:290–8. doi: 10.1006/clin.1996.4320. [PubMed] [Cross Ref]
2. Mohamad SB, Nagasawa H, Uto Y, Hori H. Tumor cell alpha-N-acetylgalactosaminidase activity and its involvement in GcMAF-related macrophage activation. Comp Biochem Physiol A Mol Integr Physiol. 2002;132:1–8. doi: 10.1016/S1095-6433(01)00522-0. [PubMed] [Cross Ref]
3. Greco M, Mitri MD, Chiriacò F, Leo G, Brienza E, Maffia M. Serum proteomic profile of cutaneous malignant melanoma and relation to cancer progression: association to tumor derived alpha-N-acetylgalactosaminidase activity. Cancer Lett. 2009;283:222–9. doi: 10.1016/j.canlet.2009.04.001. [PubMed] [Cross Ref]
4. Reddi AL, Sankaranarayanan K, Arulraj HS, Devaraj N, Devaraj H. Serum alpha-N-acetylgalactosaminidase is associated with diagnosis/prognosis of patients with squamous cell carcinoma of the uterine cervix. Cancer Lett. 2000;158:61–4. doi: 10.1016/S0304-3835(00)00502-4. [PubMed] [Cross Ref]
5. Yamamoto N, Suyama H, Yamamoto N, Ushijima N. Immunotherapy of metastatic breast cancer patients with vitamin D-binding protein-derived macrophage activating factor (GcMAF) Int J Cancer. 2008;122:461–7. doi: 10.1002/ijc.23107. [PubMed] [Cross Ref]
6. Yamamoto N, Suyama H, Nakazato H, Yamamoto N, Koga Y. Immunotherapy of metastatic colorectal cancer with vitamin D-binding protein-derived macrophage-activating factor, GcMAF. Cancer Immunol Immunother. 2008;57:1007–16. doi: 10.1007/s00262-007-0431-z. [PubMed] [Cross Ref]
7. Yamamoto N, Suyama H, Yamamoto N. Immunotherapy for Prostate Cancer with Gc Protein-Derived Macrophage-Activating Factor, GcMAF. Transl Oncol. 2008;1:65–72. [PMC free article] [PubMed]
8. Nonaka K, Onizuka S, Ishibashi H, Uto Y, Hori H, Nakayama T, et al. Vitamin D binding protein-macrophage activating factor inhibits HCC in SCID mice. J Surg Res. 2012;172:116–22. doi: 10.1016/j.jss.2010.07.057. [PubMed] [Cross Ref]
9. Gregory KJ, Zhao B, Bielenberg DR, Dridi S, Wu J, Jiang W, et al. Vitamin D binding protein-macrophage activating factor directly inhibits proliferation, migration, and uPAR expression of prostate cancer cells. PLoS One. 2010;5:e13428. doi: 10.1371/journal.pone.0013428. [PMC free article] [PubMed] [Cross Ref]
10. Pacini S, Punzi T, Morucci G, Gulisano M, Ruggiero M. Effects of vitamin D-binding protein-derived macrophage-activating factor on human breast cancer cells. Anticancer Res. 2012;32:45–52. [PubMed]
11. Kalkunte S, Brard L, Granai CO, Swamy N. Inhibition of angiogenesis by vitamin D-binding protein: characterization of anti-endothelial activity of DBP-maf. Angiogenesis. 2005;8:349–60. doi: 10.1007/s10456-005-9024-7. [PubMed] [Cross Ref]
12. Pacini S, Morucci G, Punzi T, Gulisano M, Ruggiero M. Gc protein-derived macrophage-activating factor (GcMAF) stimulates cAMP formation in human mononuclear cells and inhibits angiogenesis in chick embryo chorionallantoic membrane assay. Cancer Immunol Immunother. 2011;60:479–85. doi: 10.1007/s00262-010-0953-7. [PubMed] [Cross Ref]
13. Pacini S, Morucci G, Punzi T, Gulisano M, Ruggiero M, Amato M, et al. Effect of paricalcitol and GcMAF on angiogenesis and human peripheral blood mononuclear cell proliferation and signaling. J Nephrol. 2012;25:577–81. doi: 10.5301/jn.5000035. [PubMed] [Cross Ref]
14. Yamamoto N, Naraparaju VR, Urade M. Prognostic utility of serum alpha-N-acetylgalactosaminidase and immunosuppression resulted from deglycosylation of serum Gc protein in oral cancer patients. Cancer Res. 1997;57:295–9. [PubMed]
15. Yamamoto N, Lindsay DD, Naraparaju VR, Ireland RA, Popoff SN. A defect in the inflammation-primed macrophage-activation cascade in osteopetrotic rats. J Immunol. 1994;152:5100–7. [PubMed]
16. Nunn R. Mere anecdote: evidence and stories in medicine. J Eval Clin Pract. 2011;17:920–6. doi: 10.1111/j.1365-2753.2011.01727.x. [PubMed] [Cross Ref]
17. Yamamoto N, Ushijima N, Koga Y. Immunotherapy of HIV-infected patients with Gc protein-derived macrophage activating factor (GcMAF) J Med Virol. 2009;81:16–26. doi: 10.1002/jmv.21376. [PubMed] [Cross Ref]
18. Bradstreet JJ, Vogelaar E, Thyer L. Initial observations of elevated alpha-N-acetylgalactosaminidase activity associated with autism and observed reductions from GC protein-macrophage activating factor injections. Autism Insights. 2012;4:31–8. doi: 10.4137/AUI.S10485. [Cross Ref]
19. Fabris A, Biagioni P, Punzi T, Morucci G, Gulisano M, Pacini S, et al. Role of angiotensin-converting enzyme and vitamin D receptor gene polymorphisms in cancer anorexia-cachexia syndrome. Am J Immunol. 2012;8:65–70.
20. Rehder DS, Nelson RW, Borges CR. Glycosylation status of vitamin D binding protein in cancer patients. Protein Sci. 2009;18:2036–42. doi: 10.1002/pro.214. [PMC free article] [PubMed] [Cross Ref]
21. Inui T, Kuchiike D, Kubo K, Mette M, Uto Y, Hori H, et al. Clinical Experience of Integrative Cancer Immunotherapy with GcMAF. Anticancer Res. 2013;33:2917–9. [PubMed]
22. Bradford MM. A rapid and sensitive method for the quantitation of microgram quantities of protein utilizing the principle of protein-dye binding. Anal Biochem. 1976;72:248–54. doi: 10.1016/0003-2697(76)90527-3. [PubMed] [Cross Ref]